saneamento basico
saneamento

Com a chegada das eleições, ITB alerta a população com cartilha sobre saneamento

Já sabemos que a situação do saneamento básico no Brasil ainda é muito preocupante, estando distante de sua importância no cenário mundial. O país possui aproximadamente 35 milhões de brasileiros sem acesso à rede de água potável (equivalente à população do Canadá), 100 milhões de pessoas sem coleta de esgotos (equivalente a 2 vezes a população da Espanha) e apenas 46% dos esgotos gerados são tratados.

Mesmo passando por crises hídricas severas, as perdas de água potável nas redes de distribuição estão há 10 anos na faixa dos 38%. A titularidade dos serviços de saneamento é dos municípios, desta forma cabe aos prefeitos construírem o planejamento sanitário da cidade com diretrizes e metas. É ele(a) o responsável direto pela delegação dos serviços de água potável e esgotamento sanitário, a definição da regulação dos serviços e o planejamento do saneamento, por meio do Plano Municipal de Saneamento Básico (PMSB).

Sendo assim, o Trata Brasil preparou mais um material buscando engajar candidatos(as) aos pleitos municipais a colocarem o saneamento básico em nos planos de governo. Pensando nas eleições municipais 2020 que se aproximam, lançamos a cartilha “Saneamento Básico e as Eleições Municipais 2020“, direcionado a todos os(as) candidatos(as) ao pleito municipal, bem como à própria população com o intuito de informar sobre o cenário atual do país, as principais leis que regem o setor e as obrigações de prefeitos e vereadores com os serviços e o planejamento sanitário. A cartilha traz desde princípios básicos do saneamento até informações sobre a necessidade de os municípios investirem em água e esgoto, a obrigatoriedade da elaboração dos Planos Municipais de Saneamento (PMSB) e as instâncias de apoio junto ao Governo Federal, entre outros pontos.

LEIA TAMBÉM: ESTUDOS APONTAM A IMPORTÂNCIA DO SANEAMENTO BÁSICO PARA O DESENVOLVIMENTO SOCIOECONÔMICO

Serviços de Saneamento Básico

A cartilha está separada por Unidade da Federação, pois também inserimos indicadores básicos das principais cidades de cada estado. É mais uma forma da sociedade, e os(as) próprios(as) candidatos(as), conhecerem os números e os fundamentos do saneamento básico.

Os serviços de água tratada, coleta e tratamento dos esgotos aumentam a qualidade de vida, sobretudo na saúde infantil com redução da mortalidade, melhorias na educação, na expansão do turismo, na valorização dos imóveis, na renda do trabalhador, na despoluição dos rios e na preservação dos recursos hídricos, entre outros benefícios sociais, ambientais e econômicos.

Para essa eleição, busque saber se o (a) candidato (a) possui propostas para avançar o saneamento básico na sua cidade e não deixe de cobrar o que é direito da população.

Para ter acesso a cartilha “Saneamento e Eleições Municipais 2020” clique aqui.

Fonte: Trata Brasil

Últimas Notícias:
Risco Ambiental Fármacos Esgoto

Avaliação de risco ambiental de fármacos e desreguladores endócrinos presentes no esgoto sanitário brasileiro

Este estudo investigou a ocorrência, remoção e impacto na biota aquática de 19 contaminantes de preocupação emergente (CEC) comumente reportados no esgoto brasileiro bruto e/ou tratado. Para 14 CEC (E1, E2, EE2, GEN, DCF, PCT, BPA, IBU, NPX, CAF, TMP, SMX, CIP, LEV), sua presença em esgoto tratado apresentou um alto risco ambiental em pelo menos 2 dos 6 cenários de diluição considerados.

Leia mais »
greenTalks Sustentabilidade de Embalagens

greenTalks entrevista Bruno Pereira, CEO da Ecopopuli, sobre sustentabilidade de embalagens

O segundo episódio da temporada 2024 do videocast greenTalks – uma iniciativa pioneira entre a green4T e NEO MONDO para discutir o papel fundamental da tecnologia na promoção de um futuro mais sustentável – tem como entrevistado especial Bruno Pereira, Especialista em Sustentabilidade Positiva, Líder do Comitê de Sustentabilidade da Associação Brasileira de Embalagem (ABRE) e CEO da Ecopopuli.

Leia mais »
Gestão Resíduos Sólidos Urbanos

Estudo aponta caminhos para a gestão de resíduos sólidos urbanos

Apenas a cidade de São Paulo produz cerca de 20 mil toneladas de resíduos sólidos urbanos (RSU) todos os dias, sendo 12 mil domiciliares e 8 mil da limpeza urbana, decorrentes de atividades de varrição, recolhimento de restos de feiras, podas e capinas. Considerando somente as 12 mil toneladas produzidas nas residências, isso dá uma média de aproximadamente 1 quilo de lixo por habitante ao dia.

Leia mais »