saneamento basico

De saída da Sabesp, Dilma Pena culpa natureza por falta d’água

Por redação, com Jornal GGN

Às vésperas de deixar a presidência da Sabesp (Companhia de Saneamento Básico do Estado), Dilma Pena publicou um artigo na Folha defendendo a aplicação de multa no consumidor paulista que aumentar o consumo de água. A medida é mais uma iniciativa do governo de Geraldo Alckmin (PSDB) para tentar minimizar os efeitos do colapso dos principais sistemas de abastecimento da Grande São Paulo.
No texto, Dilma Pena, que está no cargo desde 2011, destacou que a Sabesp não ficou de braços cruzados diante da crise. “Entretanto, nem todo planejamento é capaz de dar conta daquilo que só a natureza controla”, frisou, referendando o discurso do governo estadual sobre o problema: a falta de água é culpa da falta de chuva.
“Estamos vivendo hoje a mais severa estiagem de que se tem registro na região Sudeste e, especialmente, em São Paulo. A seca iniciada no verão de 2013/2014, infelizmente, ainda não está superada. Desde 1930, nunca choveu tão pouco no Estado e, em particular, na bacia do Alto Tietê. São os efeitos das mudanças climáticas se manifestando”, argumentou.
A dirigente lembrou que a Sabesp e o governo do Estado deflagraram três ações para atenuar os impactos da falta de água sobre a população: primeiro, concedeu bônus para quem reduzisse o consumo. Segundo, iniciaram a transferência de águas entre mananciais. E terceiro, intensificaram as políticas de redução de perdas de água.
“A adesão dos paulistas tem sido fundamental: 78% dos clientes alcançados pelo programa de concessão de bônus reduziram o consumo e apenas 1 em cada 5 continua gastando mais água do que a meta”, disse.
A executiva defendeu, em seguida, a aplicação de multa em quem aumentar o consumo de água, plano que será adotado pelo Estado a partir desta semana. “(…) quem consumir mais do que a meta pagará uma conta mais alta. É justo porque neste momento de aguda falta de água a participação tem que ser de todos. Até porque somos todos parte do problema e temos que ser todos parte de sua possível solução”, escreveu.

Balanço

Ainda segundo a presidente da “Até meados deste ano, todas as sedes de municípios do interior atendidas pela Sabesp estarão servidas com 100% de água, no mínimo 95% de coleta e todo o esgoto coletado tratado. Até 2020, a estrutura de abastecimento de água, coleta e tratamento de esgotos também estará completa no litoral e na região metropolitana de São Paulo.”
Ao lançar mão de números que considera positivo para a Sabesp, Dilma Pena ainda frisou que “Tais resultados também devem tributo a algo raro no serviço público brasileiro: a sucessão de gestões altamente profissionalizadas na companhia nas duas últimas décadas. Esse modelo de gestão segue no mesmo caminho com a indicação de Jerson Kelman para presidir a companhia. É a demonstração de que uma empresa pública pode, sim, ser produtiva, lucrativa, eficiente e, sobretudo, atender melhor o seu maior cliente: o povo.”

Substituição

Segundo informações do Painel da Folha desta quinta-feira (8), o Conselho de Administração da Sabesp deve se reunir amanhã para confirmar a posse de Jerson Kelman como novo presidente da empresa. Antes, a data estava marcada para o dia 29.

Confira o artigo original no Portal Metrópole: http://www.portalmetropole.com/2015/01/de-saida-da-sabesp-dilma-pena-culpa.html#ixzz3PPdW4tGi

Últimas Notícias:
greenTalks Sustentabilidade de Embalagens

greenTalks entrevista Bruno Pereira, CEO da Ecopopuli, sobre sustentabilidade de embalagens

O segundo episódio da temporada 2024 do videocast greenTalks – uma iniciativa pioneira entre a green4T e NEO MONDO para discutir o papel fundamental da tecnologia na promoção de um futuro mais sustentável – tem como entrevistado especial Bruno Pereira, Especialista em Sustentabilidade Positiva, Líder do Comitê de Sustentabilidade da Associação Brasileira de Embalagem (ABRE) e CEO da Ecopopuli.

Leia mais »
Gestão Resíduos Sólidos Urbanos

Estudo aponta caminhos para a gestão de resíduos sólidos urbanos

Apenas a cidade de São Paulo produz cerca de 20 mil toneladas de resíduos sólidos urbanos (RSU) todos os dias, sendo 12 mil domiciliares e 8 mil da limpeza urbana, decorrentes de atividades de varrição, recolhimento de restos de feiras, podas e capinas. Considerando somente as 12 mil toneladas produzidas nas residências, isso dá uma média de aproximadamente 1 quilo de lixo por habitante ao dia.

Leia mais »
Lei do Bem Cagece

Lei do Bem: Cagece alcança R$ 3,6 milhões em benefícios fiscais através de investimentos em projetos de inovação tecnológica

A Companhia de Água e Esgoto do Ceará (Cagece) é pioneira no Ceará em aliar os investimentos em projetos de inovação tecnológica e transformá-los em benefícios fiscais. Por meio da chamada “Lei do Bem” (nº 11.196/2005), a companhia conseguiu rastrear e inserir junto ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação um total de R$ 17 milhões, aportados em projetos de inovação nos últimos três anos, rendendo um retorno total de R$ 3,6 milhões em benefícios.  

Leia mais »
Política de Gerenciamento Resíduos Sólidos

Política de gerenciamento de resíduos sólidos em instituições públicas

O presente estudo aborda a problemática ambiental da geração de resíduos sólidos e a inadequação do gerenciamento destes nas instituições públicas. Considerando as limitações das opções de destinação final para os resíduos, é imprescindível minimizar as quantidades utilizadas dentro destas organizações por meio da redução, reutilização e reciclagem. Diante da Política Nacional de Resíduos Sólidos e em consonância com a agenda 2030, busca-se contribuir e apontar caminhos para o enfrentamento da grave questão.

Leia mais »