saneamento basico
agua

Santa Bárbara/SP tem a melhor água da região

A conclusão é da pesquisa da ARES-PCJ, agência reguladora de investimentos públicos na distribuição de água e no tratamento do esgoto em 56 municípios

Santa Bárbara d’Oeste tem os melhores serviços de saneamento básico na região, segundo pesquisa de opinião pública da ARES-PCJ, agência reguladora de investimentos públicos na distribuição de água e no tratamento do esgoto em 56 municípios das bacias dos rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí.

O município alcançou, na pesquisa, nota 8,3 – em uma escala de 0 a 10 – e a primeira colocação entre todas as cidades analisadas. Entre todos os quesitos analisados na composição da média final, os barbarenses conseguiram a melhor avaliação na qualidade da água que abastece as torneiras: nota 9,9.

Os moradores da cidade, no caso, são abastecidos pelas represas Areia Branca, São Luiz e De Cillo, que reservam a água de nascentes do próprio município. Juntas, as três comportam 10 bilhões de litros de água.

LEIA TAMBÉM: INICIATIVAS EM BUSCA DA UNIVERSALIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE SANEAMENTO BÁSICO NO BRASIL

Tratamento de Água

Santa Bárbara, não precisa fazer a captação em rios que chegam de outros municípios e são castigados pela emissão de detritos domésticos e industriais.

O governo municipal também investiu na instalação de novas adutoras de água, estações elevatórias e reservatórios. Além de modernizar as estações de tratamento de água do Souza Queiroz e da Vila Aparecida. A prefeitura ainda executa na região central a substituição da antiga e ultrapassada rede de distribuição.

Pelas projeções do prefeito Denis Andia, a cidade passa a contar com uma estrutura se serviços para abastecer os lares de 400 mil pessoas, que equivalem ao dobro da população atual da cidade.

Esgoto Tratado

No quesito coleta e tratamento de esgoto, a cidade teve nota 9. Valeram os investimentos pesados da Administração.
No governo atual, Santa Bárbara inaugurou a segunda ETE (Estação de Tratamento de Esgoto) do Ribeirão dos Toledos – considerada a maior obra de saneamento da história da cidade –, que recebeu investimentos da ordem de R$ 36,9 milhões. Foram usados recursos próprios e da União.

A ETE Toledos II conta com um moderno sistema de eliminação biológica da matéria orgânica, a partir do sistema de aeração e decantação.

A cidade, que já contava com a ETE Toledos I, ainda investe na conclusão da ETE Barrocão (na região da rodovia para Iracemápolis) e na ampliação e modernização da ETE Balsa (no limite com Americana).

Serão, no total, quatro estações de tratamento de esgoto. A cidade, que já trata 80% de todos os resíduos urbanos, vai estar tratando a totalidade no final deste ano.

Santa Bárbara também alcançou pontuação superior à média regional nos demais quesitos analisados para composição da média final da pesquisa: satisfação popular com os serviços; eficiência do relacionamento com o consumidor; investimentos na preservação ambiental e equilíbrio financeiro.

“A pesquisa reafirma a qualidade do DAE barbarense. Resultado de gestão competente, de trabalho dedicado dos servidores”, disse o prefeito.

Plano

A ARES-PCJ tem que, na essência de suas atividades, fiscalizar se as cidades estão cumprindo o próprio Plano Municipal de Saneamento Básico. Checa se cada uma, enfim, consegue cumprir o próprio cronograma traçado para tratar o esgoto e universalizar o abastecimento de água. Mas, definitivamente, a missão não é das mais fáceis.

De acordo com Dalto Fávero Brochi, diretor-geral da agência, a falta de recursos próprios e de linhas de crédito no setor impedem investimentos. Tanto é que já se debate, no Congresso Nacional, projeto que facilite contratos privados para atuação no setor. As parcerias público-privadas, no caso, podem tornar viável o aporte maior de recursos no segmento.

Últimas Notícias:
Risco Ambiental Fármacos Esgoto

Avaliação de risco ambiental de fármacos e desreguladores endócrinos presentes no esgoto sanitário brasileiro

Este estudo investigou a ocorrência, remoção e impacto na biota aquática de 19 contaminantes de preocupação emergente (CEC) comumente reportados no esgoto brasileiro bruto e/ou tratado. Para 14 CEC (E1, E2, EE2, GEN, DCF, PCT, BPA, IBU, NPX, CAF, TMP, SMX, CIP, LEV), sua presença em esgoto tratado apresentou um alto risco ambiental em pelo menos 2 dos 6 cenários de diluição considerados.

Leia mais »
greenTalks Sustentabilidade de Embalagens

greenTalks entrevista Bruno Pereira, CEO da Ecopopuli, sobre sustentabilidade de embalagens

O segundo episódio da temporada 2024 do videocast greenTalks – uma iniciativa pioneira entre a green4T e NEO MONDO para discutir o papel fundamental da tecnologia na promoção de um futuro mais sustentável – tem como entrevistado especial Bruno Pereira, Especialista em Sustentabilidade Positiva, Líder do Comitê de Sustentabilidade da Associação Brasileira de Embalagem (ABRE) e CEO da Ecopopuli.

Leia mais »
Gestão Resíduos Sólidos Urbanos

Estudo aponta caminhos para a gestão de resíduos sólidos urbanos

Apenas a cidade de São Paulo produz cerca de 20 mil toneladas de resíduos sólidos urbanos (RSU) todos os dias, sendo 12 mil domiciliares e 8 mil da limpeza urbana, decorrentes de atividades de varrição, recolhimento de restos de feiras, podas e capinas. Considerando somente as 12 mil toneladas produzidas nas residências, isso dá uma média de aproximadamente 1 quilo de lixo por habitante ao dia.

Leia mais »