saneamento basico

Aneel adia aporte de garantias financeiras de distribuidoras

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) adiou para 11 de março o aporte das garantias financeiras associadas ao mercado de curto prazo de energia pelas distribuidoras, dando mais tempo para que essas empresas possam encontrar uma solução para os gastos maiores da forte geração termelétrica em janeiro. O aporte estava marcado para ocorrer na sexta-feira, informou a Aneel.

As distribuidoras de energia arcam com custos relacionados à geração termelétrica no curto prazo para somente serem ressarcidas nas datas dos reajustes anuais de tarifas. Desde o ano passado, no entanto, a geração termelétrica do país está em grande parte acionada para ajudar a assegurar o fornecimento de energia, diante do baixo nível dos reservatórios das hidrelétricas, o que resulta em maior impacto no caixa das companhias.

No ano passado, as distribuidoras receberam recursos da Conta de Desenvolvimento Energético (CDE) para evitar esse impacto no caixa. Mas, para este ano, ainda não há autorização formal do governo federal para que essa prática continue — o que também exigirá aportes adicionais do Tesouro Nacional na conta.

Estimativas de especialistas do setor elétrico são de que os custos com a forte geração termelétrica a serem arcados pelas distribuidoras no curto prazo seriam de cerca de 1,5 bilhão de reais apenas em janeiro.

Segundo a Aneel, o adiamento foi um pedido da Associação Brasileira de Distribuidores de Energia Elétrica (Abradee), que alegou que o setor enfrenta “significativo impacto financeiro referente a custos extraordinários de compra de energia (…) sob contexto similar ao ocorrido no início de 2013”, informou a Aneel, citando a associação.

O pedido ainda “visa permitir um prazo adicional às distribuidoras para efetivar solução” equivalente ao repasse da CDE autorizado no ano passado.

A postergação da data não implica imposição de risco ao mercado, segundo a Aneel, já que permanece a obrigação de aporte de garantias financeiras antes da data de liquidação financeira do mercado de curto prazo, em 12 e 13 de março.

Fonte: Veja
Veja mais: http://veja.abril.com.br/noticia/economia/aneel-adia-aporte-de-garantias-financeiras-de-distribuidoras

Últimas Notícias:
greenTalks Sustentabilidade de Embalagens

greenTalks entrevista Bruno Pereira, CEO da Ecopopuli, sobre sustentabilidade de embalagens

O segundo episódio da temporada 2024 do videocast greenTalks – uma iniciativa pioneira entre a green4T e NEO MONDO para discutir o papel fundamental da tecnologia na promoção de um futuro mais sustentável – tem como entrevistado especial Bruno Pereira, Especialista em Sustentabilidade Positiva, Líder do Comitê de Sustentabilidade da Associação Brasileira de Embalagem (ABRE) e CEO da Ecopopuli.

Leia mais »
Gestão Resíduos Sólidos Urbanos

Estudo aponta caminhos para a gestão de resíduos sólidos urbanos

Apenas a cidade de São Paulo produz cerca de 20 mil toneladas de resíduos sólidos urbanos (RSU) todos os dias, sendo 12 mil domiciliares e 8 mil da limpeza urbana, decorrentes de atividades de varrição, recolhimento de restos de feiras, podas e capinas. Considerando somente as 12 mil toneladas produzidas nas residências, isso dá uma média de aproximadamente 1 quilo de lixo por habitante ao dia.

Leia mais »
Lei do Bem Cagece

Lei do Bem: Cagece alcança R$ 3,6 milhões em benefícios fiscais através de investimentos em projetos de inovação tecnológica

A Companhia de Água e Esgoto do Ceará (Cagece) é pioneira no Ceará em aliar os investimentos em projetos de inovação tecnológica e transformá-los em benefícios fiscais. Por meio da chamada “Lei do Bem” (nº 11.196/2005), a companhia conseguiu rastrear e inserir junto ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação um total de R$ 17 milhões, aportados em projetos de inovação nos últimos três anos, rendendo um retorno total de R$ 3,6 milhões em benefícios.  

Leia mais »
Política de Gerenciamento Resíduos Sólidos

Política de gerenciamento de resíduos sólidos em instituições públicas

O presente estudo aborda a problemática ambiental da geração de resíduos sólidos e a inadequação do gerenciamento destes nas instituições públicas. Considerando as limitações das opções de destinação final para os resíduos, é imprescindível minimizar as quantidades utilizadas dentro destas organizações por meio da redução, reutilização e reciclagem. Diante da Política Nacional de Resíduos Sólidos e em consonância com a agenda 2030, busca-se contribuir e apontar caminhos para o enfrentamento da grave questão.

Leia mais »