saneamento basico

Aplicação do controle estatístico de processo (CEP) para detecção de anomalias no controle da qualidade de uma estação de tratamento de água em Poços de Caldas (MG)

Resumo

O controle estatístico do processo (CEP) é uma técnica estatística aplicada à produção com o objetivo de verificar causas que não são naturais ao processo e que possam prejudicar a qualidade de um determinado produto. Nesse contexto, o objetivo deste trabalho foi aplicar ferramentas do CEP para avaliação de anomalias de processo na qualidade da água tratada de uma estação de tratamento de água (ETA), com a finalidade de garantir os padrões de potabilidade da água, de acordo com a Portaria de Consolidação Nº5 do Ministério da Saúde, em seu Anexo XX (antiga Portaria 2914). Os gráficos de controle foram elaborados através de medições de quatro parâmetros: cor, pH, turbidez e cloro residual, em intervalos de tempo, identificando as causas especiais nos critérios estabelecidos pela ISO 8258:1991. Os resultados demonstraram que apenas o parâmetro turbidez não apresentou controle estatístico de processo, evidenciando a estabilidade do processo de tratamento de água estudado.

Introdução

O abastecimento público de água e o tratamento de água, em termos quantitativo e qualitativo, tornou-se uma preocupação crescente ao longo dos anos, devido a deterioração da qualidade dos mananciais de captação e da escassez desse recurso (BRASIL, 2006).

O controle estatístico do processo (CEP) é uma técnica estatística aplicada à produção que consiste em uma inspeção por amostragem, operada ao longo do processo, para verificar causas que não são naturais a este e que possam prejudicar a qualidade do produto final. Uma das ferramentas utilizadas pelo controle estatístico de processo são os gráficos de controle (SÃO PAULO, 2013).

Nesse contexto, o objetivo deste trabalho foi aplicar ferramentas do CEP para avaliação de anomalias de processo na qualidade da água tratada de uma estação de tratamento de água (ETA) do Departamento Municipal de Água e Esgoto (DMAE) da cidade de Poços de Caldas (MG), com a finalidade de garantir os padrões de potabilidade da água, de acordo com a Portaria de Consolidação Nº5 do Ministério da Saúde, em seu Anexo XX (antiga Portaria 2914). Através dessa aplicação obtêm-se um descritivo detalhado do comportamento do processo de tratamento de água, identificando sua variabilidade e proporcionando seu controle ao longo do tempo, através da coleta contínua e análise de dados, eliminando possíveis causas especiais que são responsáveis pelas instabilidades do processo.

Autores: Amanda Carvalhaes Souto Valim; André Felipe de Araújo e Leonardo Henrique Soares Damasceno.

baixe-aqui

Últimas Notícias:
Risco Ambiental Fármacos Esgoto

Avaliação de risco ambiental de fármacos e desreguladores endócrinos presentes no esgoto sanitário brasileiro

Este estudo investigou a ocorrência, remoção e impacto na biota aquática de 19 contaminantes de preocupação emergente (CEC) comumente reportados no esgoto brasileiro bruto e/ou tratado. Para 14 CEC (E1, E2, EE2, GEN, DCF, PCT, BPA, IBU, NPX, CAF, TMP, SMX, CIP, LEV), sua presença em esgoto tratado apresentou um alto risco ambiental em pelo menos 2 dos 6 cenários de diluição considerados.

Leia mais »
greenTalks Sustentabilidade de Embalagens

greenTalks entrevista Bruno Pereira, CEO da Ecopopuli, sobre sustentabilidade de embalagens

O segundo episódio da temporada 2024 do videocast greenTalks – uma iniciativa pioneira entre a green4T e NEO MONDO para discutir o papel fundamental da tecnologia na promoção de um futuro mais sustentável – tem como entrevistado especial Bruno Pereira, Especialista em Sustentabilidade Positiva, Líder do Comitê de Sustentabilidade da Associação Brasileira de Embalagem (ABRE) e CEO da Ecopopuli.

Leia mais »
Gestão Resíduos Sólidos Urbanos

Estudo aponta caminhos para a gestão de resíduos sólidos urbanos

Apenas a cidade de São Paulo produz cerca de 20 mil toneladas de resíduos sólidos urbanos (RSU) todos os dias, sendo 12 mil domiciliares e 8 mil da limpeza urbana, decorrentes de atividades de varrição, recolhimento de restos de feiras, podas e capinas. Considerando somente as 12 mil toneladas produzidas nas residências, isso dá uma média de aproximadamente 1 quilo de lixo por habitante ao dia.

Leia mais »