saneamento basico

Vereador fala sobre a proposta de renovação de contrato com a SABESP

Para o vereador João da Silva Filho, o Timba, do DEM, o Poder Executivo, antes de firmar qualquer acordo de renovação com a Sabesp, deveria contratar uma equipe técnica para fazer todo um levantamento da real situação dos recursos hídricos da cidade, pois, a titularidade da água é do Município e não da Companhia prestadora de serviços. Também, na opinião do edil, torna-se difícil discutir a renovação da concessão antes mesmo da elaboração do Plano Municipal de Saneamento Básico (PMSB), marco regulatório do saneamento básico, que estabelece a participação da comunidade debatendo os 04 (quatro) eixos principais: água, esgotamento, tratamento de esgoto, lixo urbano, e águas pluviais urbanas.

Timba observa que o contrato de exploração dos recursos hídricos do Município é feito por um período de 30 (trinta) anos, embora possa ser revisto a cada quatro anos, mas, com certeza, deve-se observar a questão urgente do Distrito Industrial e outras regiões da cidade, que ainda são desprovidas de esgoto.

Passados 30 anos, Assis ainda não conta com uma usina de tratamento de esgoto completa, e somente dois piscinões de decantação, sem contar que, por falta de investimentos, 8 (oito) nascentes estão totalmente poluídas com esgoto e lixo; são elas: Água da Porca, “a mais importante”, Água do Óleo, Água do Freire, Água da Cabiúna, Água do Jacu, Água do Matão, Água do Pavãozinho e Água da Fortuninha.

Timba observa que, o Poder Executivo só se mostra preocupado com a contrapartida e vem se reunindo com os vereadores para uma eventual negociação de valores em favor do Município, o que é justo, e já vem acontecendo desde 2009 sem sucesso. Para o vereador, da forma que o Executivo está conduzindo a questão, sem nenhum estudo técnico da real situação, e somente pensando nas vantagens financeiras, a renovação não se mostra interessante.

Timba pensa, que para um contrato com 30 (trinta) anos, que afetará grandemente as próximas gerações, as questões ambientais e sociais devem prevalecer sobre os valores envolvidos na contrapartida.

No próximo dia 22 de março comemora se o Dia Mundial  da Água, “com certeza temos que dar um viva a este liquido precioso e ao mesmo tempo economizar, não jogar lixo doméstico em qualquer lugar, e  sermos guardiões da preservação das nascentes,  para não faltar para as gerações futuras , este liquido precioso”, finaliza o vereador.

Últimas Notícias:
Risco Ambiental Fármacos Esgoto

Avaliação de risco ambiental de fármacos e desreguladores endócrinos presentes no esgoto sanitário brasileiro

Este estudo investigou a ocorrência, remoção e impacto na biota aquática de 19 contaminantes de preocupação emergente (CEC) comumente reportados no esgoto brasileiro bruto e/ou tratado. Para 14 CEC (E1, E2, EE2, GEN, DCF, PCT, BPA, IBU, NPX, CAF, TMP, SMX, CIP, LEV), sua presença em esgoto tratado apresentou um alto risco ambiental em pelo menos 2 dos 6 cenários de diluição considerados.

Leia mais »
greenTalks Sustentabilidade de Embalagens

greenTalks entrevista Bruno Pereira, CEO da Ecopopuli, sobre sustentabilidade de embalagens

O segundo episódio da temporada 2024 do videocast greenTalks – uma iniciativa pioneira entre a green4T e NEO MONDO para discutir o papel fundamental da tecnologia na promoção de um futuro mais sustentável – tem como entrevistado especial Bruno Pereira, Especialista em Sustentabilidade Positiva, Líder do Comitê de Sustentabilidade da Associação Brasileira de Embalagem (ABRE) e CEO da Ecopopuli.

Leia mais »
Gestão Resíduos Sólidos Urbanos

Estudo aponta caminhos para a gestão de resíduos sólidos urbanos

Apenas a cidade de São Paulo produz cerca de 20 mil toneladas de resíduos sólidos urbanos (RSU) todos os dias, sendo 12 mil domiciliares e 8 mil da limpeza urbana, decorrentes de atividades de varrição, recolhimento de restos de feiras, podas e capinas. Considerando somente as 12 mil toneladas produzidas nas residências, isso dá uma média de aproximadamente 1 quilo de lixo por habitante ao dia.

Leia mais »