saneamento basico
esgoto

Em época de estiagem, Blumenau/SC percebe evolução no sistema de esgoto

Monitoramento realizado em 22 pontos do Rio Itajaí-Açu comprova avanços

O cenário é quase o mesmo de oito anos atrás: a Ponte de Ferro sobre o Rio Itajaí-Açu, um dos principais cartões-postais de Blumenau. O que mudou foi o avanço do sistema público de coleta e tratamento de esgoto, iniciado há 10 anos e refletido na qualidade da água e na vida do blumenauense. Isso tudo ficou evidente devido ao período de estiagem que a cidade e o Estado vivem, considerado o mais severo dos últimos sete anos pela Epagri/Ciram, o que provoca seca pela insuficiência de chuva.

Voltando ao passado, em 2012, quando a situação era semelhante a atual, uma mancha surgiu no Rio Itajaí-Açu, mostrando a quantidade de esgoto lançado na natureza sem o devido tratamento. Em 2020, o baixo volume de água indica um contexto diferente nesse sentido e a melhora na qualidade da água pode ser comprovada por meio do monitoramento do Índice de Qualidade da Água (IQA). Realizado em parceria pela BRK Ambiental e o Senai, as análises são feitas por trimestre e, atualmente, compreendem 22 pontos, sendo que 13 possuem resultados bons ou aceitáveis. Em 2012, quando eram avaliados 18 pontos, a média do ano fechou com apenas dois pontos bons e um aceitável, ficando oito ruins e sete péssimos.

LEIA TAMBÉM: IBGE: POR FALTA DE SANEAMENTO BÁSICO, UM EM CADA DEZ DOMICÍLIOS NO BRASIL JOGA ESGOTO NA NATUREZA

A expansão no número de pontos monitorados segue a evolução dos serviços de coleta e tratamento de esgoto, ou seja, conforme novas regiões são atendidas, novos locais de monitoramento são incorporados à lista. “É importante destacar que oscilações pontuais podem ocorrer, sejam como consequência das variações de carga orgânica, fortes pancadas ou escassez prolongada de chuvas, índices de diluição etc. Porém, é nítido que à medida que a bacia vem sendo saneada, há a melhora contínua nos pontos avaliados”, explica o responsável pela BRK Ambiental em Blumenau, Cleber Renato. “O esgoto bruto que era lançado ali, agora é corretamente tratado nas ETEs Garcia e Fortaleza e os córregos vão retomando a vida”, complementa.

Importância do esgotamento sanitário 

Durante esse período de estiagem, destaca-se a importância dos investimentos realizados para a expansão da coleta e do tratamento, que na última década foi disponibilizado para 21 dos 35 bairros da cidade, retirando 19 milhões de litros de esgoto bruto que eram despejados diariamente em diversos córregos, ribeirões e no Rio Itajaí-Açu, e da conscientização dos moradores em relação as suas responsabilidades para a ligação correta à rede de coleta.

Últimas Notícias:
Projetos ESG Resultados no Saneamento

Projetos ESG e seus resultados no saneamento

Projetos ESG são práticas adotadas por empresas com base em critérios ambientais, sociais e de governança corporativa. A implementação bem-sucedida de projetos ESG reduz riscos e impactos sociais, ambientais e financeiros das operações. Dessa forma, atraem investidores e contribuem para a sustentabilidade das atividades.

Leia mais »
Descarte Correto de Resíduos

Saiba como descartar resíduos corretamente e evitar doenças como a dengue

Além de crime ambiental, o descarte irregular de resíduos sólidos traz diversos prejuízos ao meio ambiente e à população. Estes pontos se tornam ambientes propícios para a proliferação de vetores de doenças, levando às situações de alagamentos em período de chuva, comprometendo a qualidade do ambiente e da paisagem do local, além de gerar o aumento dos custos públicos com a remoção do material descartado de forma incorreta e também dos gastos com saúde pública.

Leia mais »
Contrato Sabesp Vale do Paraíba

Novo contrato da Sabesp prevê aporte de R$ 18,6 bilhões no Vale do Paraíba até 2060

Atualmente em consulta pública, o novo contrato da Sabesp encontra-se em processo de desestatização, proposto pelo governo do estado de São Paulo. Os investimentos estão previstos em R$ 18,6 bilhões até o ano de 2060, no Vale do Paraíba e Litoral Norte. Cerca de R$ 5 bilhões serão destinados à universalização do saneamento básico nas 28 cidades atendidas pela Sabesp na região até 2029. As obras que pretendem levar água potável, coleta e tratamento de esgoto para toda a população, foram definidas com as prefeituras.

Leia mais »
Dmae Fumaça Ligações Irregulares

Dmae de Uberlândia/MG vai iniciar testes de fumaça para identificar ligações irregulares de esgoto

A partir da próxima segunda-feira (4), o Departamento Municipal de Água e Esgoto (Dmae) iniciará testes de fumaça para detectar ligações irregulares na rede de esgoto do município. O primeiro bairro atendido será a região do bairro Pampulha. O local em questão foi escolhido para iniciar os trabalhos devido ao grande número de chamados para desobstrução de rede, especialmente em período de chuva. Futuramente, outros bairros da cidade receberam os mesmos testes.

Leia mais »
Manejo de Resíduos Biometano Brasileiro

Ao custo global de R$ 3,1 tri, manejo de resíduos pode virar negócio, como o biometano brasileiro

Segundo alerta feito pela ONU nesta quarta-feira, 28, o volume de resíduos no mundo, que atingiu 2,3 bilhões de toneladas em 2023, continuará crescendo exponencialmente, até 3,8 bilhões de toneladas até meados deste século. A crise será ainda mais grave nos países onde os métodos de tratamento ainda são poluentes: aterros sanitários (contaminação do solo, emissões de poluentes e gases de efeito estufa, como o metano) e incineração sem recuperação.

Leia mais »
Sanasa Campinas Saneamento Básico

Campinas tem saneamento superior à média nacional

Dados do “Censo 2022: Características dos domicílios – Resultados do universo”, publicados na sexta-feira (23) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) confirmam a elevação dos indicadores de moradores com acesso ao saneamento básico em Campinas.

Leia mais »