saneamento basico

Decreto dispõe sobre o apoio técnico e financeiro da União para o saneamento

Para promover maior entendimento sobre o apoio do governo federal aos estados e municípios nas questões que envolvem a adaptação dos serviços públicos de saneamento básico, o presidente da república determinou a edição de um decreto sobre o tema no final do ano de 2020.

Além de regulamentar a Lei nº 14.026/2020, o Decreto nº 10.588, de 24 de dezembro, alterou também a Lei nº 11.445/2007, que trata das diretrizes nacionais para o saneamento básico e das regras para alocação de recursos públicos federais e financiamentos com recursos da União.

Entre outros pontos, o decreto versa sobre a prestação regionalizada de serviços de saneamento; o apoio técnico e financeiro da União (inclusive sobre as unidades regionais ou blocos de referência); e a alocação de recursos públicos federais e dos investimentos feitos com recursos da União ou geridos ou operados por órgãos ou entidades da União.

Entre os vários pontos sobre os blocos de referência, o decreto determina que o reconhecimento está previsto desde que os municípios integrantes de regiões metropolitanas não sejam abrangidos e que a viabilidade econômico-financeira da universalização e da regionalização da parcela residual de municípios do estado não seja prejudicada.


LEIA TAMBÉM: MAIS DE 4,2 BILHÕES DE PESSOAS VIVEM SEM ACESSO A SANEAMENTO BÁSICO


Marco do Saneamento

O Novo Marco Legal do Saneamento possui diretrizes como a uniformização regulatória do setor e a prestação regionalizada do serviço como instrumento para garantir a sua sustentabilidade econômico-financeira. Como a titularidade dos serviços à população pertence aos municípios, conforme pacificado na Constituição Federal, o incentivo federal previsto no Novo Marco Legal se baseia no repasse de recursos públicos da União.

Porém, o decreto também vincula o recebimento do apoio à observância de determinadas condicionantes, especialmente à adoção pelos entes das normas de referência da Agência Nacional de Águas e Saneamento Básico (ANA) e à regionalização do serviço de saneamento básico. Com isso, o Decreto nº 10.588/2020 prevê a forma por meio da qual se dará o repasse dos recursos e o apoio técnico e financeiro da União, estabelecendo pontos a serem observados pelos entes de determinadas condicionantes.

Vetos

Mesmo com o decreto que regulamenta o Marco Legal do Saneamento do país, precisamos lembrar que ainda segue pendente a questão dos vetos presidenciais a alguns artigos da Lei nº 14.026/2020. Por várias vezes, de agosto até o fim do ano passado, o Congresso Nacional adiou a sessão de análise dos vetos. Entre estes, está o referente ao Artigo 16 da nova lei, que trata da regra de transição entre os modelos de operação do setor de saneamento, impedindo a renovação dos contratos de programa em vigor e impossibilitando a regularização das chamadas Situações de Fato em alguns munícipios.

Defendemos que os vetos sejam derrubados e o acordo entre parlamentares, governadores e entidades do setor seja respeitado. O não cumprimento do acordo traz instabilidade jurídica para o setor.

ÍNTEGRA DO DECRETO

Fonte: Aesbe.


ÚLTIMAS NOTÍCIAS: COMISSÃO DA ALERJ ENCONTRA INDÍCIOS CRIMES AMBIENTAIS NAS LAGOAS DE NITERÓI/RJ

Últimas Notícias:
Concessão Saneamento Itaú de Minas

Concessão do saneamento de Itaú de Minas já tem interessadas

Pelo menos duas empresas de saneamento do setor privado manifestaram interesse na concessão do serviço em Itaú de Minas, no Sul do Estado, durante a etapa de consulta pública, concluída em 21 de janeiro deste ano. As empresas são a Cristalina Saneamento e a Orbis Ambiental, que também disputou a licitação do serviço em Alpinópolis, cidade da mesma região e de tamanho similar a Itaú.

Leia mais »
Serviços de Coleta de Lixo

Mais de 90% dos brasileiros contam com serviço de coleta de lixo

Os serviços de coleta de lixo, direta ou indireta, beneficiavam 90,9% dos brasileiros em 2022, segundo dados do Censo 2022 divulgados na sexta-feira (23) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A pesquisa mostra que 82,5% dos moradores têm seus resíduos sólidos coletados diretamente no domicílio por serviços de limpeza.

Leia mais »
Risco Ambiental Fármacos Esgoto

Avaliação de risco ambiental de fármacos e desreguladores endócrinos presentes no esgoto sanitário brasileiro

Este estudo investigou a ocorrência, remoção e impacto na biota aquática de 19 contaminantes de preocupação emergente (CEC) comumente reportados no esgoto brasileiro bruto e/ou tratado. Para 14 CEC (E1, E2, EE2, GEN, DCF, PCT, BPA, IBU, NPX, CAF, TMP, SMX, CIP, LEV), sua presença em esgoto tratado apresentou um alto risco ambiental em pelo menos 2 dos 6 cenários de diluição considerados.

Leia mais »