saneamento basico
residuos-solidos

Governo de Minas modifica regras da Política Estadual de Resíduos Sólidos

Diante dos debates sobre a destinação de materiais descartados pela sociedade, o Estado de Minas Gerais implementou modificações na legislação que trata sobre a Política Estadual de Resíduos Sólidos.

No fim de dezembro passado (29/12), o governador Romeu Zema editou o Decreto n° 48.107/2020. A norma altera o Decreto n° 45.181/2009, que regulamenta o marco regulatório sobre resíduos sólidos em território mineiro (Lei n° 18.031/2009).

Com a mudança, a destinação final de resíduos sólidos urbanos poderá ser feita com uso de tecnologias de tratamento térmico, desde que comprovada a sua viabilidade técnica e ambiental. Além disso, o Decreto n° 48.107/2020 impõe às empresas que implantem um programa de monitoramento de emissões atmosféricas, aprovado pelo órgão ambiental licenciador.

Segundo a norma, compreende-se por tratamento térmico de resíduos a modalidade em que os resíduos sólidos são submetidos a processos que resultam em decomposição térmica, total ou parcial, com ou sem recuperação de energia, visando à redução de massa, volume ou potencial poluidor. Ela não inclui os tratamentos em que o aquecimento visa apenas à redução de umidade ou a inativação microbiana, sem que haja a decomposição térmica.

Dentre as tecnologias destinadas ao tratamento térmico de resíduos estão:

  1. Gaseificação: processo de reação de carbono com o vapor para produzir hidrogênio e monóxido de carbono, onde ocorre a conversão da matéria-prima, sólida ou líquida em gás, por meio de oxidação parcial, sob aplicação de calor.
  2. Incineração: processo de combustão controlada, que tem como princípio básico a reação do oxigênio com componentes combustíveis presentes no resíduo, tais como: carbono, hidrogênio e enxofre, em temperatura superior a 800º C, com a conversão da energia química em calor.
  3. Pirólise: processo formado por reações complexas, iniciadas quando um material é aquecido de 400º C a 800º C, na ausência de oxigênio, para produzir correntes de vapores condenáveis e não condensáveis e resíduos sólidos. O calor fraciona a estrutura molecular dos resíduos, liberando compostos de carbono na forma líquida, sólida e gasosa, que poderão ser utilizadas como combustíveis.
  4. Plasma: processo de gaseificação os resíduos sólidos por meio de jato de plasma. O processo ocorre em temperaturas extremamente elevadas, variando de 5.000º C a 50.000º C, de acordo com as condições de geração, mas tipicamente da ordem de 15.000 ºC.
  5. Coprocessamento: utilização de resíduos para substituição de matérias-primas e aproveitamento energético em fornos de clínquer.

A norma veda ainda o uso da tecnologia de incineração para a destinação de resíduos sólidos urbanos, diante do comando do art. 17 da Lei nº 18. 031, de 12 de janeiro de 2009.


LEIA TAMBÉM: DF TERÁ MARCO REGULATÓRIO PARA TRATAMENTO DE RESÍDUOS


Atenção às legislações 

Os empresários e comerciantes devem ficar atentos as características da norma, que impactam diretamente nos negócios. Quem não cumprir às exigências poderá sofrer penalidades administrativas, como advertência, multa, apreensões, suspensão ou embargo da atividade e demolição de obra.

Sobre a Política Estadual de Resíduos Sólidos 

Criada para nortear as políticas públicas da área, a Lei n° 18.031/2009 define diretrizes e formas de implementação da política estadual de resíduos sólidos, pautada por princípios como: não-geração, redução, reaproveitamento, reciclagem, tratamento e disposição final ambientalmente adequada.

Fonte: Fecomércio MG.

Últimas Notícias:
greenTalks Sustentabilidade de Embalagens

greenTalks entrevista Bruno Pereira, CEO da Ecopopuli, sobre sustentabilidade de embalagens

O segundo episódio da temporada 2024 do videocast greenTalks – uma iniciativa pioneira entre a green4T e NEO MONDO para discutir o papel fundamental da tecnologia na promoção de um futuro mais sustentável – tem como entrevistado especial Bruno Pereira, Especialista em Sustentabilidade Positiva, Líder do Comitê de Sustentabilidade da Associação Brasileira de Embalagem (ABRE) e CEO da Ecopopuli.

Leia mais »
Gestão Resíduos Sólidos Urbanos

Estudo aponta caminhos para a gestão de resíduos sólidos urbanos

Apenas a cidade de São Paulo produz cerca de 20 mil toneladas de resíduos sólidos urbanos (RSU) todos os dias, sendo 12 mil domiciliares e 8 mil da limpeza urbana, decorrentes de atividades de varrição, recolhimento de restos de feiras, podas e capinas. Considerando somente as 12 mil toneladas produzidas nas residências, isso dá uma média de aproximadamente 1 quilo de lixo por habitante ao dia.

Leia mais »
Lei do Bem Cagece

Lei do Bem: Cagece alcança R$ 3,6 milhões em benefícios fiscais através de investimentos em projetos de inovação tecnológica

A Companhia de Água e Esgoto do Ceará (Cagece) é pioneira no Ceará em aliar os investimentos em projetos de inovação tecnológica e transformá-los em benefícios fiscais. Por meio da chamada “Lei do Bem” (nº 11.196/2005), a companhia conseguiu rastrear e inserir junto ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação um total de R$ 17 milhões, aportados em projetos de inovação nos últimos três anos, rendendo um retorno total de R$ 3,6 milhões em benefícios.  

Leia mais »
Política de Gerenciamento Resíduos Sólidos

Política de gerenciamento de resíduos sólidos em instituições públicas

O presente estudo aborda a problemática ambiental da geração de resíduos sólidos e a inadequação do gerenciamento destes nas instituições públicas. Considerando as limitações das opções de destinação final para os resíduos, é imprescindível minimizar as quantidades utilizadas dentro destas organizações por meio da redução, reutilização e reciclagem. Diante da Política Nacional de Resíduos Sólidos e em consonância com a agenda 2030, busca-se contribuir e apontar caminhos para o enfrentamento da grave questão.

Leia mais »