saneamento basico

MPPE exige cobrança de água subterrânea

O Ministério Público de Pernambuco (MPPE) vai ingressar com ação judicial para que o Estado passe a cobrar pelo uso de águas subterrâneas e fiscalize a perfuração irregular de poços artesianos. Para o órgão a cobrança, mesmo prevista na constituição, é ignorada pela gestão estadual. Enquanto nenhuma medida é tomada, milhares de poços são perfurados sem respeito aos critérios técnicos e sem controle por parte da administração pública, conforme mostrado em matérias anteriores pela Folha de Pernambuco. A Capital pernambucana, segundo especialistas, é uma das cidades do País com maior concentração de poços artesianos ou tubulares. São mais de 14 mil, como apontou pesquisa do Centro de Pesquisas de Águas Subterrâneas do Instituto de Geociências da Universidade de São Paulo (USP).

“A cobrança pelo uso da água está na lei. É obrigatória. Alguns estados, como Pernambuco, não fazem essa cobrança. Isso está errado. É renúncia de receita. A água é um bem público e a sua venda é obrigatória”, afirmou o promotor de Meio Ambiente, Ricardo Coelho.

De janeiro até o último dia 11 de abril, a Agência Pernambucana de Águas e Climas (Apac) autorizou a perfuração de 37 poços no Estado. A Apac garante que a permissão só não vale para o bairro de Boa Viagem, “uma vez que nesta área está proibida a perfuração de poços pelo uso excessivo do lençol freático”, justificou.

No caso de Boa Viagem, o professor Ricardo Hirata, da USP, fez um alerta. Segundo ele, se persistir o ritmo atual de bombeamento, os aquíferos poderão estar todos salinizados por volta de 2035. Principalmente, os poços localizados na linha de costa.

“Quanto mais se usa, mais água é bombeada do aquífero. E Boa Viagem é um território que tem um tipo de geologia em que a camada produtora de água não é muito espessa. Logo, será mais fácil o mar invadir esses poços nos próximos 30,35 anos”, estima o pesquisador. Ele aponta que problemas no abastecimento, na década de 90, estimularam a perfuração desordenada de poços, sobretudo na Zona Sul.

Projeto
Por meio de nota, a Secretaria Executiva de Recursos Hídricos e a Apac informaram que “já se encontra na Alepe, o projeto de lei que disciplinará a cobrança pelo uso de águas subterrâneas.

Fonte:
Foto: Lucas Melo/Arquivo Folha

Últimas Notícias:
Risco Ambiental Fármacos Esgoto

Avaliação de risco ambiental de fármacos e desreguladores endócrinos presentes no esgoto sanitário brasileiro

Este estudo investigou a ocorrência, remoção e impacto na biota aquática de 19 contaminantes de preocupação emergente (CEC) comumente reportados no esgoto brasileiro bruto e/ou tratado. Para 14 CEC (E1, E2, EE2, GEN, DCF, PCT, BPA, IBU, NPX, CAF, TMP, SMX, CIP, LEV), sua presença em esgoto tratado apresentou um alto risco ambiental em pelo menos 2 dos 6 cenários de diluição considerados.

Leia mais »
greenTalks Sustentabilidade de Embalagens

greenTalks entrevista Bruno Pereira, CEO da Ecopopuli, sobre sustentabilidade de embalagens

O segundo episódio da temporada 2024 do videocast greenTalks – uma iniciativa pioneira entre a green4T e NEO MONDO para discutir o papel fundamental da tecnologia na promoção de um futuro mais sustentável – tem como entrevistado especial Bruno Pereira, Especialista em Sustentabilidade Positiva, Líder do Comitê de Sustentabilidade da Associação Brasileira de Embalagem (ABRE) e CEO da Ecopopuli.

Leia mais »
Gestão Resíduos Sólidos Urbanos

Estudo aponta caminhos para a gestão de resíduos sólidos urbanos

Apenas a cidade de São Paulo produz cerca de 20 mil toneladas de resíduos sólidos urbanos (RSU) todos os dias, sendo 12 mil domiciliares e 8 mil da limpeza urbana, decorrentes de atividades de varrição, recolhimento de restos de feiras, podas e capinas. Considerando somente as 12 mil toneladas produzidas nas residências, isso dá uma média de aproximadamente 1 quilo de lixo por habitante ao dia.

Leia mais »