saneamento basico

Cedae e Estado do RJ são condenados a pagar R$ 2 mi por ruptura do emissário de Ipanema

A Companhia Estadual de Águas e Esgotos (Cedae) e o Estado do Rio de Janeiro foram condenados a pagar indenização de R$ 2 milhões pelos danos ambientais causados pela ruptura do Emissário Submarino de Ipanema. O acidente na tubulação que leva o esgoto ao mar aconteceu em janeiro de 1999 e contaminou a água a cerca de 900 metros da orla, deixando as praias de Ipanema e do Leblon, na Zona Sul do Rio de Janeiro, impróprias para o banho.

O Ministério Público Federal (MPF) propôs uma ação civil pública logo após o acidente para que a Cedae e o Estado fossem obrigados a trocar todos os pilares de sustentação da tubulação do emissário, a construir estação de tratamento de esgoto e a indenizar pelos danos ambientais causados. A inicial alegava que o emissário submarino de Ipanema era o componente mais importante do sistema de esgotamento sanitário da Zona Sul do Rio de Janeiro.

O valor da indenização foi calculado com base no valor orçado para minimzar os danos do desastre na época, quando a Petrobrás recuperou os pilares danificados. Os R$ 2 milhões serão revertidos para o Fundo de Direitos Difusos.

Em outubro de 2015, o procurador da República Jaime Mitropoulos já havia defendido a condenação, considerando suficientemente provado que o despejo de milhões de toneladas de esgoto ocorreu durante quase um mês devido à omissão do Estado e da CEDAE. Segundo Mitropoulos, mesmo distante da faixa de areia, o derramamento provou um desequilíbrio ecológico suficiente para interditar as praias. O emissário transportava seis toneladas de esgoto por segundo. Formado por estruturas de concreto armado e tubulações metálicas de grande diâmetro, o emissário começou a sofrer colapsos nos pilares, fraturas e corrosões a partir do ano de 1991, sem que o estado ou a CEDAE tenham adotado medidas que evitassem o desastre.

“Ainda que temporário, ainda que o tempo tenha se encarregado de dissipar os efeitos de tamanha quantidade de esgoto lançado sem nenhum tratamento primário nas águas do mar, o dano ambiental ocasionado pela omissão das rés constitui um evento cuja indenização deve ser determinada pelo Poder Judiciário, visto que a Constituição Federal impôs ao Poder Público o dever de máxima diligência em matéria de preservação do meio ambiente”, afirmou o procurador, em seu pedido de condenação.

Na sentença, a juíza federal substituta, Luciana Cunha Vilar, da 23ª Vara Federal, considerou provada a negligência dos réus em adotar as medidas preventivas e ressaltou que quem deu causa ao dano ambiental tem o dever de repará-lo.

Foto: Cezar Loureiro
Fonte: O Globo

Últimas Notícias:
greenTalks Sustentabilidade de Embalagens

greenTalks entrevista Bruno Pereira, CEO da Ecopopuli, sobre sustentabilidade de embalagens

O segundo episódio da temporada 2024 do videocast greenTalks – uma iniciativa pioneira entre a green4T e NEO MONDO para discutir o papel fundamental da tecnologia na promoção de um futuro mais sustentável – tem como entrevistado especial Bruno Pereira, Especialista em Sustentabilidade Positiva, Líder do Comitê de Sustentabilidade da Associação Brasileira de Embalagem (ABRE) e CEO da Ecopopuli.

Leia mais »
Gestão Resíduos Sólidos Urbanos

Estudo aponta caminhos para a gestão de resíduos sólidos urbanos

Apenas a cidade de São Paulo produz cerca de 20 mil toneladas de resíduos sólidos urbanos (RSU) todos os dias, sendo 12 mil domiciliares e 8 mil da limpeza urbana, decorrentes de atividades de varrição, recolhimento de restos de feiras, podas e capinas. Considerando somente as 12 mil toneladas produzidas nas residências, isso dá uma média de aproximadamente 1 quilo de lixo por habitante ao dia.

Leia mais »
Lei do Bem Cagece

Lei do Bem: Cagece alcança R$ 3,6 milhões em benefícios fiscais através de investimentos em projetos de inovação tecnológica

A Companhia de Água e Esgoto do Ceará (Cagece) é pioneira no Ceará em aliar os investimentos em projetos de inovação tecnológica e transformá-los em benefícios fiscais. Por meio da chamada “Lei do Bem” (nº 11.196/2005), a companhia conseguiu rastrear e inserir junto ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação um total de R$ 17 milhões, aportados em projetos de inovação nos últimos três anos, rendendo um retorno total de R$ 3,6 milhões em benefícios.  

Leia mais »
Política de Gerenciamento Resíduos Sólidos

Política de gerenciamento de resíduos sólidos em instituições públicas

O presente estudo aborda a problemática ambiental da geração de resíduos sólidos e a inadequação do gerenciamento destes nas instituições públicas. Considerando as limitações das opções de destinação final para os resíduos, é imprescindível minimizar as quantidades utilizadas dentro destas organizações por meio da redução, reutilização e reciclagem. Diante da Política Nacional de Resíduos Sólidos e em consonância com a agenda 2030, busca-se contribuir e apontar caminhos para o enfrentamento da grave questão.

Leia mais »