saneamento basico

Águas do Brasil chega a MG

A holding da área de saneamento Águas do Brasil acaba de assumir duas novas concessões. Em São Paulo, passou a prestar o serviço de abastecimento na cidade de Jaú, onde já detinha a concessão de tratamento de esgoto. Além disso, com o fim de uma disputa com a estatal Copasa, a empresa passa a operar os serviços de água e esgoto no município de Pará de Minas, e confirma sua entrada no mercado mineiro, enquanto avalia outras oportunidades.

De acordo com o presidente da empresa, Claudio Abduche, as duas novas concessões receberão cerca de R$ 100 milhões em investimentos nos primeiros dois anos, que ele espera financiar com apoio do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). “Para nós, é importante ter o apoio do BNDES. Somos procurados por várias instituições, mas tentamos manter uma postura conservadora”, diz Abduche, que não descarta ir ao mercado em busca de novas fontes de financiamento, como as debêntures incentivadas, caso a oferta de recursos no banco fique mais restrita. “É uma possibilidade interessante, mas não tivemos necessidade ainda”, afirma.

Abduche conta que a empresa fechou em maio uma operação de R$ 180 milhões com o BNDES para investimentos na concessão de Manaus. A primeira liberação está prevista para o próximo mês. Também está em fase final de contratação de um crédito de R$ 43 milhões para a Águas de Votorantim, em São Paulo.

No total, as duas novas concessões receberão R$ 395 milhões em investimentos ao longo de 20 anos pelo grupo, que é controlado por Developer, do grupo Carioca Engenharia; Queiroz Galvão Saneamento; Aquapar Participações; e Construtora Cowan.

Na concessão de Pará de Minas, serão R$ 230 milhões, sendo que os primeiro R$ 90 milhões já nos primeiros dois anos. “Pará de Minas tem um problema sério de abastecimento de água. Teremos que construir uma adutora e uma estação de tratamento para trazer água do rio Paraopebas”, explica Abduche, frisando que o município já tem a outorga de captação. Serão 28 quilômetros de tubulações novas.

“Já deslocamos técnicos para operar o sistema da antiga Copasa e vamos iniciar a contratação das obras. Nosso desafio é começar a obra já em maio para trazer essa água”, afirma, depois de aguardar o fim de uma disputa de mais de seis meses entre a Copasa e o município para assumir a concessão.

Em Jaú, o grupo Águas do Brasil prevê investimentos de R$ 165 milhões. No primeiro ano, R$ 12 milhões irão para instalação de sede e implantação da loja de atendimento ao cliente, adequação da Estação de Tratamento de Água (ETA) 1, instalação de novas ligações e extensão das redes de água e esgoto. Os usuários terão 3% de desconto na tarifa.

O presidente da Águas do Brasil ressalta ainda o potencial de geração de emprego das novas operações. Serão 145 vagas, em Jaú, e 122, em Pará de Minas, além de 60 pessoas envolvidas diretamente nas obras. “Para uma cidade grande, é pouco, mas faz diferença para um município médio ou pequeno”, diz, confirmando que o grupo analisa outras oportunidades, como a uma concessão em São Gonçalo (RJ).

Fonte: Valor

Últimas Notícias:
Concessão Saneamento Itaú de Minas

Concessão do saneamento de Itaú de Minas já tem interessadas

Pelo menos duas empresas de saneamento do setor privado manifestaram interesse na concessão do serviço em Itaú de Minas, no Sul do Estado, durante a etapa de consulta pública, concluída em 21 de janeiro deste ano. As empresas são a Cristalina Saneamento e a Orbis Ambiental, que também disputou a licitação do serviço em Alpinópolis, cidade da mesma região e de tamanho similar a Itaú.

Leia mais »
Serviços de Coleta de Lixo

Mais de 90% dos brasileiros contam com serviço de coleta de lixo

Os serviços de coleta de lixo, direta ou indireta, beneficiavam 90,9% dos brasileiros em 2022, segundo dados do Censo 2022 divulgados na sexta-feira (23) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A pesquisa mostra que 82,5% dos moradores têm seus resíduos sólidos coletados diretamente no domicílio por serviços de limpeza.

Leia mais »
Risco Ambiental Fármacos Esgoto

Avaliação de risco ambiental de fármacos e desreguladores endócrinos presentes no esgoto sanitário brasileiro

Este estudo investigou a ocorrência, remoção e impacto na biota aquática de 19 contaminantes de preocupação emergente (CEC) comumente reportados no esgoto brasileiro bruto e/ou tratado. Para 14 CEC (E1, E2, EE2, GEN, DCF, PCT, BPA, IBU, NPX, CAF, TMP, SMX, CIP, LEV), sua presença em esgoto tratado apresentou um alto risco ambiental em pelo menos 2 dos 6 cenários de diluição considerados.

Leia mais »