saneamento basico

Embasa restringe distribuição de água no sul da BA por falta de chuva

Situação ocorre nas cidades de Coaraci, Itacaré, Mascote, Uruçuca e Camacã. Empresa informa que posicionamento é para garantir abastecimento contínuo.

A Empresa Baiana de Águas e Saneamento (Embasa) informou por meio de nota que restringiu, preventivamente, a distribuição de água em Coaraci, Itacaré, Mascote, Uruçuca e Camacã, todas as cidades localizadas no sul da Bahia. Isso ocorre por conta da diminuição do nível das barragens e dos rios onde a empresa capta água para tratamento e distribuição, por causa da falta de chuvas nos últimos meses.

De acordo com a empresa, o objetivo da ação é reduzir o uso da água nesse momento de escassez, para garantir o abastecimento contínuo de água nesses municípios.

Ainda conforme a Embasa, em Itacaré, o rio Ribeira, principal manancial, secou e a captação de água está sendo feita no rio Jeribucaçu. O abastecimento é realizado por meio de manobras na rede distribuidora, ou seja, para fornecer água em determinada área, como em um bairro, por exemplo, é preciso deixar de fornecer em outra e vice-versa, mas segundo a empresa como nas cidades as pessoas têm reservatórios de água, nenhum morador ainda reclamou de falta de água.

Em Mascote, o fornecimento de água também é realizado por manobras, em dias alternados, desde meados de fevereiro.

Já em Coaraci, o manancial da Serra da Palha esgotou e a captação é feita no rio Almada. Caso continue a estiagem, a Embasa fará o reforço do abastecimento por meio de carros-pipa. Em Uruçuca, o rio Almada está com vazão reduzida e, por isso, o fornecimento de água acontece em dias alternados nos dois setores da cidade, pois os mananciais – rio Serra Preta e rio Água Verde – estão secos.

Em Camacã, a barragem do rio Panelão, o principal manancial do município está com o nível baixo. E o manancial do distrito de Panelinha secou. Atualmente, o distrito de Panelinha está sendo abastecido com água levada à adutora a partir da sede municipal.

Embasa informou que técnicos estão monitorando diariamente os mananciais de outros sistemas operados pela Unidade Regional de Itabuna, pois eles estão com níveis críticos por causa da estiagem prolongada. Por isso essa medidas preventiva é realizada para minimizar os impactos da escassez de chuvas no abastecimento de água na região.

Fonte: G1
Foto: Divulgação/ Embasa

Últimas Notícias:
Risco Ambiental Fármacos Esgoto

Avaliação de risco ambiental de fármacos e desreguladores endócrinos presentes no esgoto sanitário brasileiro

Este estudo investigou a ocorrência, remoção e impacto na biota aquática de 19 contaminantes de preocupação emergente (CEC) comumente reportados no esgoto brasileiro bruto e/ou tratado. Para 14 CEC (E1, E2, EE2, GEN, DCF, PCT, BPA, IBU, NPX, CAF, TMP, SMX, CIP, LEV), sua presença em esgoto tratado apresentou um alto risco ambiental em pelo menos 2 dos 6 cenários de diluição considerados.

Leia mais »
greenTalks Sustentabilidade de Embalagens

greenTalks entrevista Bruno Pereira, CEO da Ecopopuli, sobre sustentabilidade de embalagens

O segundo episódio da temporada 2024 do videocast greenTalks – uma iniciativa pioneira entre a green4T e NEO MONDO para discutir o papel fundamental da tecnologia na promoção de um futuro mais sustentável – tem como entrevistado especial Bruno Pereira, Especialista em Sustentabilidade Positiva, Líder do Comitê de Sustentabilidade da Associação Brasileira de Embalagem (ABRE) e CEO da Ecopopuli.

Leia mais »
Gestão Resíduos Sólidos Urbanos

Estudo aponta caminhos para a gestão de resíduos sólidos urbanos

Apenas a cidade de São Paulo produz cerca de 20 mil toneladas de resíduos sólidos urbanos (RSU) todos os dias, sendo 12 mil domiciliares e 8 mil da limpeza urbana, decorrentes de atividades de varrição, recolhimento de restos de feiras, podas e capinas. Considerando somente as 12 mil toneladas produzidas nas residências, isso dá uma média de aproximadamente 1 quilo de lixo por habitante ao dia.

Leia mais »